Glossário

A

  • ABRANDAMENTO MONETÁRIO
    • Quando os bancos centrais baixam as taxas de juro ou compram títulos no mercado aberto para aumentar a quantidade de dinheiro em circulação.
  • AÇÃO
    • Uma participação no capital social de uma empresa, geralmente sob a forma de um título. Também denominado de ações. As ações oferecem aos investidores uma participação nos potenciais lucros da empresa, mas também o risco de perda de todo o seu investimento em caso de falência da empresa.
  • AÇÕES
    • Ações de propriedade de uma empresa. Oferecem aos investidores uma participação nos potenciais lucros da empresa, mas também o risco de perda de todo o seu investimento em caso de falência da empresa. 
  • AÇÕES DE CAPITALIZAÇÃO
    • Um tipo de ação cujas distribuições são automaticamente reinvestidas e refletidas no valor das ações.
  • AÇÕES DE RENDIMENTO
    • Um tipo de ação cujas distribuições (também designadas dividendos) são pagas como numerário na data de pagamento.
  • AÇÕES NÃO COTADAS
    • Ações de propriedade de empresas que não estão cotadas numa bolsa de valores pública, conhecidas como empresas privadas.
  • AÇÕES PREFERENCIAIS
    • As ações preferenciais concedem ao titular o direito de receber um dividendo fixo, cujo pagamento tem precedência relativamente às ações ordinárias. Normalmente, os titulares de ações preferenciais não têm direitos de voto, ao contrário dos acionistas ordinários. 
  • ACOMPANHAMENTO DO ÍNDICE
    • Uma estratégia de gestão do fundo que tem como objetivo replicar as participações e o desempenho de um determinado índice. É conhecido como uma estratégia de investimento passiva. 
  • AGÊNCIA DE NOTAÇÃO DE CRÉDITO
    • Uma empresa que analisa a solidez financeira dos emitentes de títulos de rendimento fixo (obrigações) e atribui uma notação à respetiva dívida. Os exemplos incluem a Standard & Poor’s, a Moody's e a Fitch.
  • AJUSTE DE DILUIÇÃO
    • Uma alteração ao preço das ações do fundo, que é utilizada para garantir que os custos de compra e venda das ações são suportados por investidores novos e de saída, e não por investidores atuais. O ajuste de diluição é constituído por custos de transação diretos e indiretos incorridos aquando da criação e cancelamento de ações do fundo. (Consultar também o mecanismo de "swing pricing").
  • ALAVANCAGEM
    • Quando se refere a uma empresa, a alavancagem é o nível de dívida de uma empresa em relação aos seus ativos. Uma empresa com uma dívida significativamente superior ao capital é considerada alavancada. Pode também referir-se a um fundo que contrai empréstimos monetários ou utiliza derivados para aumentar uma posição de investimento. 
  • ALFA
    • O retorno em excesso de um fundo relativamente ao retorno do seu índice de referência. Considera-se frequentemente que representa o valor que um gestor de fundos acrescenta ao, ou subtrai do, retorno de um fundo. Também conhecido como retorno relativo.
  • ALOCAÇÃO DE ATIVOS
    • Alocar os ativos de uma carteira de acordo com a tolerância ao risco e os objetivos de investimento.
  • ATIVO
    • Algo com valor comercial ou valor de troca detido por um negócio, instituição ou indivíduo.
  • ATIVO ISENTO DE RISCO
    • Um ativo que, teoricamente, não acarreta qualquer risco de não pagamento pelo mutuário; por exemplo, numerário, ou uma obrigação de elevada qualidade emitida por um governo. 
  • ATIVOS DE PORTO SEGURO
    • Ativos que os investidores consideram ser relativamente seguros face a possíveis perdas em períodos de agitação no mercado.
  • ATIVOS FÍSICOS
    • Um item de valor com existência tangível; por exemplo, numerário, equipamento, inventário ou bens imobiliários. Os ativos físicos podem também referir-se a títulos, tais como ações de empresas ou títulos de rendimento fixo.
  • AUTONOMIA FINANCEIRA
    • O nível da dívida de uma empresa em relação ao seu capital. Uma empresa com uma dívida significativamente superior ao capital é considerada altamente alavancada. 
  • AVALIAÇÃO
    • O valor de um ativo ou empresa, com base no valor atual dos fluxos de caixa que irá gerar.

C

  • CÂMBIO 
    • A conversão de uma moeda para outra moeda. O câmbio também se refere ao mercado global onde as moedas são negociadas virtualmente a qualquer hora. O termo "câmbio" é normalmente abreviado como "forex" e ocasionalmente como "FX".
  • CAPITAL EM RISCO
    • O risco que um investidor enfrenta de poder perder a totalidade ou parte dos ativos investidos. 
  • CAPITAL
    • O valor nominal de um título de rendimento fixo, que é o montante a reembolsar ao investidor pelo mutuário quando o título atinge o fim da sua vida.
  • CAPITAL
    • Refere-se aos ativos financeiros, ou recursos, que uma empresa possui para financiar as suas atividades comerciais.
  • CAPITALIZAÇÃO
    • O valor de mercado total de todas as ações em circulação de uma empresa.
  • CHARITY AUTHORISED INVESTMENT FUND (CAIF) 
    • Uma entidade de investimento que está registada como uma instituição de beneficência e um fundo de investimento autorizado. O CAIF tem de cumprir a lei aplicável às instituições de beneficência, assim como as leis e os regulamentos em matéria de serviços financeiros. Normalmente, é tratado como uma instituição de beneficência para efeitos fiscais.
  • CLASSE DE AÇÕES
    • Tipo de ações de fundos detidas por investidores num fundo (as classes de ações diferem por níveis de encargos e/ou por outras características, tais como cobertura face ao risco cambial). Cada fundo M&G tem diferentes classes de ações, tais como A, R e I. Cada uma tem um nível de encargos diferente e um investimento mínimo. Os detalhes sobre encargos e investimentos mínimos podem ser consultados nos Documentos com as Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores.
  • CLASSE DE ATIVOS
    • Categoria de ativos, como numerário, ações de empresas, títulos de rendimento fixo (obrigações) e respetivas subcategorias, assim como ativos tangíveis, como imobiliário.
  • COBERTURA
    • Um método de redução do risco desnecessário ou imprevisto.
  • COBERTURA DA CLASSE DE AÇÕES
    • Atividades realizadas relativamente a ações cobertas para mitigar o impacto no desempenho de movimentos das taxas de câmbio entre a exposição cambial do fundo e a moeda escolhida pelo investidor. 
  • COLOCAÇÃO PRIVADA
    • Uma oferta de venda de títulos a um número relativamente pequeno de investidores selecionados pela empresa, geralmente bancos de investimento, fundos mútuos, companhias de seguros ou fundos de pensões.
  • CONTENÇÃO MONETÁRIA
    • Quando os bancos centrais aumentam as taxas de juro ou vendem títulos no mercado aberto para diminuir a quantidade de dinheiro em circulação.
  • CONTRATO A PRAZO
    • Um contrato entre duas partes para comprar ou vender uma determinada matéria-prima ou instrumento financeiro a um preço pré-determinado numa data futura. Os contratos a prazo são personalizados e não são negociados em bolsas de valores públicas, mas sim diretamente entre partes interessadas (negociação em mercado de balcão). 
  • CORREÇÃO
    • Quando o preço de um ativo, título ou índice desce até 10%, normalmente após um mercado em alta. 
  • CRÉDITO
    • A capacidade de contração de empréstimos de um indivíduo, empresa ou governo. O termo também é utilizado pelos investidores como sinónimo de títulos de rendimento fixo emitidos por empresas (obrigações empresariais) e de qualquer tipo de empréstimo concedido a uma empresa.
  • CUPÃO
    • Os juros pagos pelo governo ou empresa que obteve um empréstimo através da venda de obrigações. É normalmente um montante fixo, calculado como uma percentagem do empréstimo total, e pago em intervalos regulares. 
  • CUSTO DE TRANSAÇÃO
    • O custo de negociação, como comissões de corretagem, comissões de compensação e comissões cambiais, bem como impostos, como o imposto de selo.
  • CUSTO DE TRANSAÇÃO DA CARTEIRA
    • Inclui custos de negociação, tais como comissões de corretagem, comissões de compensação, comissões cambiais e "spread" de compra/venda, bem como impostos, como o imposto de selo.

D

  • DATA DE PAGAMENTO
    • A data em que as distribuições serão pagas pelo fundo aos investidores, habitualmente o último dia útil do mês.
  • DATA EX-DIVIDENDO, EX-DISTRIBUIÇÃO OU XD
    • A data em que as distribuições declaradas pertencem oficialmente a investidores subjacentes. Na data XD, o preço da ação desce normalmente pelo montante do dividendo, refletindo o pagamento.
  • DERIVADOS
    • Instrumentos financeiros cujo valor e preço dependem de um ou mais ativos subjacentes. Os derivados podem ser utilizados para obter exposição a, ou para ajudar a proteger contra, alterações esperadas no valor dos investimentos subjacentes. Os derivados podem ser negociados numa bolsa de valores regulamentada ou diretamente entre duas partes (negociação em mercado de balcão).
  • DESVIO PADRÃO
    • Uma medida estatística de dispersão de um conjunto de dados da sua média, indicando o "spread" dos retornos de um fundo ao longo de um determinado período de tempo. 
  • DISTRIBUIÇÃO
    • As distribuições representam uma participação no rendimento do fundo e são pagas aos titulares de ações de Rendimento ou reinvestidas para os titulares de ações de Capitalização em períodos definidos do ano (mensalmente, trimestralmente, semestralmente ou anualmente). Podem ser sob a forma de distribuições de juros (para obrigações) ou distribuições de dividendos (para ações).
  • DIVERSIFICAÇÃO
    • A prática de investir numa variedade de ativos, que normalmente deverão apresentar um desempenho independente entre si. Esta é uma técnica de gestão de riscos através da qual, numa carteira bem diversificada, uma perda de uma participação individual deve ser compensada por ganhos noutras participações, diminuindo assim o impacto na carteira global.
  • DÍVIDA SOBERANA
    • Dívida governamental. Também referida como obrigações governamentais.
  • DIVIDENDO
    • Uma participação nos lucros de uma empresa, pagos aos acionistas da empresa em períodos definidos do ano. 
  • DURAÇÃO
    • Uma medida da sensibilidade de um título de rendimento fixo (obrigação) ou fundo de obrigações a alterações nas taxas de juro. Quanto mais longa for a duração de uma obrigação ou de um fundo de obrigações, mais sensível será a movimentos nas taxas de juro.
  • DURAÇÃO MODIFICADA
    • Uma medida da sensibilidade de uma obrigação, ou fundo de obrigações, a alterações nas taxas de juro, expressa em anos. Quanto mais longa for a duração de uma obrigação ou de um fundo de obrigações, mais sensível será a movimentos nas taxas de juro.

E

  • ECONOMIA OU MERCADO EMERGENTE
    • País no processo de alcançar economias desenvolvidas, com crescimento rápido e crescente industrialização. Os investimentos em mercados emergentes são geralmente considerados como sendo de maior risco do que os investimentos em mercados desenvolvidos.
  • ECONOMIA/MERCADO DESENVOLVIDA(O)
    • Economia bem estabelecida com um elevado grau de industrialização, padrão de vida e segurança.
  • EMISSÃO DE OBRIGAÇÕES
    • Um conjunto de títulos de rendimento fixo (obrigações) oferecidos para venda ao público por uma empresa ou governo. Se as obrigações forem vendidas pela primeira vez, são denominadas de "nova emissão". 
  • EMITENTE
    • Uma entidade que vende títulos, tais como títulos de rendimento fixo e ações empresariais.
  • ENCARGO ANUAL
    • Um encargo que cobre os custos, as comissões e as despesas relativas ao funcionamento e à gestão de cada classe de ações, que representa uma percentagem do Valor Ativo Líquido (VAL) de cada classe de ações. É calculado diariamente como 1/365 da percentagem anual, aplicada ao VAL no dia de negociação anterior. Os acionistas poderão beneficiar de potenciais descontos devido a economias de escala, caso se verifique um crescimento significativo nos ativos sob gestão. Os pormenores destas potenciais poupanças encontram-se disponíveis no prospeto do fundo. 
  • EPISÓDIO
    • Um período de tempo durante o qual as emoções dos investidores afetam a sua tomada de decisões mais do que o habitualmente, podendo fazer com que os mercados financeiros se movam irracionalmente.
  • EQUIVALENTES DE CAIXA
    • Depósitos ou investimentos com características semelhantes a numerário.
  • ESTRATÉGIA CAMBIAL (FX)
    • As moedas podem ser uma classe de ativos autónoma, tal como as ações empresariais, títulos de rendimento fixo, imobiliário e numerário. A estratégia cambial – através da qual o gestor do fundo tenta beneficiar de movimentos nas taxas de câmbio – pode, desta forma, ser uma fonte de retornos de investimento. 
  • ESTRUTURA DE CAPITAL
    • A composição das responsabilidades de uma empresa. Refere-se à forma como uma empresa financia os seus ativos através de uma combinação de ações – que se refere a angariar fundos através da venda de ações – e dívida. Muitas vezes, quando a estrutura de capital é referida, o foco recai sobre o rácio dívida/capitais próprios da empresa, que é um indicador do nível de risco do negócio. Quanto mais elevado for o rácio, mais arriscado será o negócio. 
  • EXCHANGE-TRADED FUND (ETF)
    • Um tipo de fundo que é transacionado no mercado bolsista, como ações ordinárias. Os ETF podem ser comprados e vendidos ao longo do dia, como ações ordinárias, enquanto outros tipos de fundos são avaliados apenas uma vez por dia. 
  • EXPOSIÇÃO
    • A proporção de um fundo investida numa determinada ação/títulos de rendimento fixo/índice, setor/região, habitualmente expressa como uma percentagem do fundo global. 

F

  • FUNDAMENTAIS (ECONÓMICOS)
    • Um princípio básico, regra, lei, ou semelhante, que funciona como a base de um sistema. Os fundamentais económicos são fatores como a inflação, o emprego, o crescimento económico.
  • FUNDAMENTAIS (EMPRESA)
    • Um princípio básico, regra, lei, ou semelhante, que funciona como a base de um sistema. Os fundamentais de uma empresa referem-se especificamente a essa empresa e são fatores como o seu modelo de negócio, os ganhos, o balanço e a dívida.
  • FUNDO DE INVESTIMENTO
    • Um tipo de fundo gerido cujo valor está diretamente ligado ao valor dos investimentos subjacentes do fundo e que está estruturado como um "trust" e não como uma empresa.
  • FUNDO INDEXADO A UM ÍNDICE
    • Um fundo que investe em obrigações indexadas a um índice. Estas últimas são títulos de rendimento fixo em que tanto o valor do empréstimo como os pagamentos de juros são ajustados em linha com a inflação ao longo da duração do título. 
  • FUTUROS
    • Um contrato de futuros é um contrato entre duas partes para comprar ou vender uma determinada matéria-prima ou instrumento financeiro a um preço predeterminado numa data futura. Os contratos de futuros são padronizados e são negociados em bolsas de valores regulamentadas.

G

  • GANHOS POR AÇÃO
    • O lucro líquido de uma empresa dividido pelo número de ações em emissão.
  • GESTÃO ATIVA
    • Uma abordagem de investimento através da qual o capital é alocado de acordo com a avaliação do investidor ou do(s) gestor(es) do fundo. O investidor ativo tem como objetivo superar os retornos do mercado bolsista ou do setor/índice de referência especificado, ao invés de igualá-los. 
  • GESTÃO DE RISCOS
    • O termo utilizado para descrever as atividades que o gestor do fundo se compromete a desempenhar para limitar o risco de uma perda num fundo.
  • GESTÃO PASSIVA
    • Uma abordagem de investimento através da qual o capital é alocado de acordo com as ponderações de ações ou setores de um índice. A gestão passiva é também referida como "indexação" ou "acompanhamento".
  • GESTOR ATIVO
    • Um gestor de fundos que segue uma abordagem de gestão ativa face ao investimento. O investidor ativo tem como objetivo superar os retornos do mercado bolsista ou do setor/índice de referência especificado, ao invés de igualá-los. 
  • GESTOR PASSIVO
    • Um gestor de fundos que adota uma abordagem passiva face ao investimento. O investidor passivo tem como objetivo igualar os retornos do mercado bolsista ou do índice/setor especificado, ao invés de ultrapassá-los.
  • "GILTS"
    • Títulos de rendimento fixo emitidos pelo governo do Reino Unido. Têm a designação de "gilts" porque costumavam ser emitidos em papel coberto de ouro. 

I

  • INCUMPRIMENTO
    • Quando um mutuário não mantém pagamentos de juros nem reembolsa o montante emprestado quando devido.
  • ÍNDICE
    • Um índice representa um mercado em particular ou uma parte do mesmo, servindo como indicador de desempenho para esse mercado ou segmento. 
  • ÍNDICE DE PREÇOS DE RETALHO (RPI - RETAIL PRICES INDEX)
    • Um índice de inflação no Reino Unido que mede a taxa de alteração de preços para um cabaz de bens e serviços no Reino Unido, incluindo pagamentos hipotecários e imposto municipal.
  • ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IPC)
    • Um índice utilizado para medir a inflação ou a taxa a que os preços de um cabaz de bens e serviços adquiridos por famílias mudam. O conteúdo do cabaz destina-se a ser representativo dos produtos e serviços que os consumidores geralmente adquirem e é atualizado regularmente.
  • ÍNDICE DE REFERÊNCIA
    • Medida, como um índice ou setor, face à qual o desempenho de uma carteira é avaliado. 
  • ÍNDICE DE REFERÊNCIA ALVO
    • Um índice de referência, como um índice ou setor, que os gestores do fundo pretendem igualar ou ultrapassar. Os gestores têm liberdade para escolher os títulos e a estratégia através da qual o fazem.
  • ÍNDICE DE REFERÊNCIA COMPARATIVO
    • Os gestores do fundo escolhem o índice de referência, que pode ser um índice ou um setor, como comparador do desempenho do fundo, mas não têm de replicar a sua composição. O índice de referência não é utilizado para quaisquer outros fins, como, por exemplo, para servir de referência aquando da fixação de comissões de desempenho.
  • ÍNDICE DE REFERÊNCIA RESTRITIVO
    • A carteira tem de replicar os títulos contidos no índice de referência e as respetivas ponderações. O índice de referência pode ser um índice ou um setor. Dependendo do mandato do fundo, os gestores podem replicar as posições diretamente ou através de derivados, que são instrumentos cujo valor deriva do valor de um título ou conjunto de títulos subjacente.  
  • INFLAÇÃO
    • A taxa de aumento do custo de vida. A inflação é normalmente cotada como uma percentagem anual, comparando o preço médio deste mês com o do mesmo mês do ano anterior. 
  • INSTRUMENTO DE DÍVIDA
    • Um contrato formal que um governo, uma empresa ou uma pessoa individual pode usar para obter dinheiro emprestado. Os instrumento de dívida descrevem as condições do empréstimo, incluindo o montante e o calendário do pagamentos de juros, o prazo para o reembolso do capital ou eventuais garantias prestadas pelo mutuário. Qualquer tipo de dívida pode ser um instrumento de dívida, desde obrigações e empréstimos até cartões de crédito. 
  • INSTRUMENTOS DO MERCADO MONETÁRIO
    • A dívida a reembolsar no prazo de um ano, sob a forma de títulos que são comprados e vendidos por investidores institucionais, tais como bancos, fundos de pensões, gestores de ativos, etc. Os investidores individuais têm de passar por um intermediário, como um banco ou gestor de ativos, para investir nestes instrumentos.
  • INVESTIMENTO DESCENDENTE
    • Uma abordagem de investimento que analisa fatores económicos, ou seja, analisa o "panorama geral", antes de selecionar as empresas nas quais investir. O investidor descendente irá analisar fatores como o crescimento económico, a inflação e o ciclo de negócio para selecionar ações. 
  • INVESTMENT ASSOCIATION (IA)
    • O organismo comercial do Reino Unido que representa os gestores de fundos. Trabalha com gestores de investimentos, colaborando com o governo em questões de tributação e regulamentação, tendo também como objetivo ajudar os investidores a compreenderem a indústria e as opções de investimento que lhes são disponibilizadas.

L

  • LIQUIDEZ
    • Refere-se à facilidade de converter ativos em numerário, quando necessário. As ações de uma empresa são consideradas altamente líquidas se puderem ser facilmente compradas ou vendidas, uma vez que são regularmente transacionadas em números elevados.
  • LUCROS E PERDAS (L&P)
    • Uma demonstração financeira que resume as receitas, os custos e as despesas de uma empresa durante um período de tempo específico – normalmente um trimestre ou ano.

M

  • MACROECONÓMICO
    • Refere-se ao desempenho global e ao comportamento de uma economia, por exemplo, ao nível regional ou nacional. Os fatores a nível económico, como o produto interno bruto, o desemprego ou a inflação, são conhecidos como fatores macroeconómicos e são indicadores-chave do desempenho económico. Por vezes abreviado para "macro".
  • MATURIDADE
    • O período de tempo até que o montante inicial investido num título de rendimento fixo tem de ser reembolsado ao titular do título.
  • MERCADO EM ALTA
    • Um mercado caracterizado pelo otimismo e pela confiança dos investidores na continuação de retornos sólidos, onde os preços dos títulos estão a subir. 
  • MERCADO EM BAIXA
    • Um mercado no qual os preços dos títulos estão em queda e o pessimismo generalizado faz com que o sentimento negativo seja autossustentado. Normalmente, um título ou índice entra num mercado em baixa após um declínio, desde o ponto mais alto ao ponto mais baixo, de 20%.
  • MÉTRICAS DE AVALIAÇÃO
    • Medidas utilizadas para determinar o valor atual de um ativo ou empresa.
  • MOEDA FORTE (OBRIGAÇÕES)
    • Títulos de rendimento fixo (obrigações) denominados numa moeda internacional altamente transacionada e relativamente estável e não na moeda local do emitente das obrigações. As obrigações emitidas numa moeda forte mais estável, como o USD, podem ser mais atrativas para os investidores quando existem receios de que a moeda local possa perder valor ao longo do tempo, reduzindo o valor das obrigações e respetivo rendimento.
  • MORNINGSTAR™
    • Um fornecedor de pesquisa de investimento independente, incluindo estatísticas de desempenho e notações de fundos independentes.

N

  • NEGOCIAÇÃO EM MERCADO DE BALCÃO (OTC)
    • Os ativos financeiros são negociados diretamente entre duas partes, em vez de serem realizados através de bolsas especificamente constituídas para efeitos de negociação. A negociação OTC é também conhecida como negociação fora de bolsa. 
  • NÍVEL MÁXIMO (HWM - HIGH WATER MARK)
    • O nível mais elevado que o VPL (valor patrimonial líquido) de um fundo atingiu no final de qualquer período contabilístico de 12 meses. O fundo pode geralmente cobrar uma comissão de desempenho quando o respetivo VPL excede este nível. 
  • NOTAÇÃO A TRIPLA OU AAA
    • A notação mais elevada possível que pode ser atribuída a uma obrigação por agências de notação de crédito. As obrigações com notação AAA são consideradas como tendo o risco de incumprimento mais baixo. Incumprimento significa que uma empresa ou governo não consegue cumprir os pagamentos de juros ou reembolsar o montante de investimento inicial no final da vida de um título.
  • NOTAÇÃO DE CRÉDITO
    • Uma avaliação, por uma agência de notação de crédito, da capacidade de um mutuário reembolsar as suas dívidas. Uma notação elevada indica que a agência de notação de crédito considera que o emitente se encontra em risco baixo de não pagamento. Uma notação baixa indica um risco elevado de não pagamento. A Standard & Poor’s, a Fitch e a Moody’s são as três agências de notação de crédito mais proeminentes.

O

  • OBRIGAÇÃO
    • Um empréstimo sob a forma de um título, habitualmente emitido por um governo ou empresa. Normalmente, paga uma taxa de juro fixa (também denominada de cupão) durante um determinado período de tempo, no final do qual o montante inicial emprestado é reembolsado. 
  • OBRIGAÇÃO RESGATÁVEL
    • Uma obrigação que pode ser resgatada pelo emitente antes do prazo de vencimento. O preço ao qual o emitente recompra a obrigação normalmente é mais alto do que o respetivo preço de emissão. Geralmente, o emitente resgata a obrigação quando as taxas de juro caem, a fim de refinanciar a sua dívida a novas taxas de juro mais baixas.
  • OBRIGAÇÕES ALEMÃS ("BUNDS")
    • Títulos de rendimento fixo (obrigações) emitidos pelo governo alemão.
  • OBRIGAÇÕES COM GRAU DE INVESTIMENTO
    • Títulos de rendimento fixo emitidos por um governo ou empresa com uma notação de crédito média ou elevada atribuída por uma agência de notação de crédito reconhecida. Considera-se que apresentam um risco de incumprimento mais baixo do que os emitidos por emitentes com notações de crédito mais baixas. Incumprimento significa que um mutuário não consegue cumprir os pagamentos de juros ou reembolsar o montante de investimento inicial no final da vida de um título.
  • OBRIGAÇÕES COM NOTAÇÃO INFERIOR A GRAU DE INVESTIMENTO
    • Títulos de dívida emitidos por uma empresa com uma notação baixa atribuída por uma agência de notação de crédito reconhecida. Considera-se que têm um risco mais elevado de incumprimento do que as obrigações emitidas por empresas com notações de crédito mais elevadas. Incumprimento significa que um mutuário não consegue cumprir os pagamentos de juros ou reembolsar o montante de investimento inicial no final da vida de um título.
  • OBRIGAÇÕES CONVERTÍVEIS
    • Títulos de rendimento fixo (obrigações) que podem ser trocados por montantes predeterminados de ações de empresas em determinados momentos ao longo da respetiva duração.
  • OBRIGAÇÕES DE RENDIMENTO ELEVADO
    • Empréstimos contraídos sob a forma de títulos de rendimento fixo emitidos por empresas com uma baixa notação de crédito atribuída por uma agência de notação de crédito reconhecida. São considerados como apresentando um risco de incumprimento mais elevado do que os títulos de rendimento fixo de melhor qualidade e notação mais elevada, mas têm o potencial para remunerações mais altas. Incumprimento significa que um emitente de obrigações não consegue cumprir os pagamentos de juros ou reembolsar o montante inicial emprestado no final da vida de um título.
  • OBRIGAÇÕES DE TAXA VARIÁVEL (FRN)
    • Os títulos cujos pagamentos de juros (rendimento) são periodicamente ajustados dependendo da alteração numa taxa de juro de referência.
  • OBRIGAÇÕES EM MOEDA LOCAL
    • Obrigações denominadas na moeda do país do emitente e não numa moeda "forte" internacional altamente transacionada, como o USD. O valor das obrigações em moeda local tende a flutuar mais do que o das obrigações emitidas numa moeda forte, uma vez que estas moedas tendem a ser menos estáveis.   
  • OBRIGAÇÕES EMPRESARIAIS
    • Títulos de rendimento fixo emitidos por uma empresa. Também são conhecidos como obrigações e podem oferecer pagamentos de juros mais elevados do que as obrigações emitidas por governos, sendo muitas vezes consideradas mais arriscadas. Também referido pelos investidores como "crédito".
  • OBRIGAÇÕES EMPRESARIAIS DE CURTO PRAZO
    • Títulos de rendimento fixo emitidos por empresas e reembolsados ao longo de períodos relativamente curtos.
  • OBRIGAÇÕES GOVERNAMENTAIS DE CURTO PRAZO
    • Títulos de rendimento fixo emitidos por governos e reembolsados ao longo de períodos relativamente curtos.
  • OBRIGAÇÕES GOVERNAMENTAIS
    • Empréstimos emitidos sob a forma de títulos de rendimento fixo por governos. Pagam normalmente uma taxa de juro fixa durante um determinado período de tempo, no final do qual o investimento inicial é reembolsado. 
  • OBRIGAÇÕES INDEXADAS À INFLAÇÃO
    • Títulos de rendimento fixo em que tanto o valor do empréstimo como os pagamentos de juros são ajustados em linha com a inflação ao longo da duração do título. Também referido como obrigações indexadas a um índice.
  • OBRIGAÇÕES INDEXADAS A UM ÍNDICE
    • Títulos de rendimento fixo em que tanto o valor do empréstimo como os pagamentos de juros são ajustados em linha com a inflação ao longo da duração do título. Também referido como obrigações indexadas à inflação.
  • OBRIGAÇÕES SINTÉTICAS INDEXADAS À INFLAÇÃO
    • Títulos criados utilizando uma combinação de ativos para imitar as características das obrigações indexadas à inflação. Este investimento combinado pode ser criado através da compra de obrigações governamentais indexadas à inflação e da venda de proteção face a empresas em incumprimento das suas dívidas utilizando "swaps" de incumprimento de crédito. O investimento sintético resultante irá apresentar um comportamento semelhante ao de uma obrigação empresarial física indexada à inflação, caso tivesse sido emitida. As obrigações sintéticas indexadas à inflação são geralmente criadas quando uma empresa não tem quaisquer obrigações indexadas à inflação em emissão.
  • OFERTA PÚBLICA INICIAL (OPI)
    • A primeira venda de ações por uma empresa privada ao público.
  • OICVM
    • Significa Organismos de Investimento Coletivo em Valores Mobiliários. Este é o quadro regulamentar europeu para um veículo de investimento que pode ser comercializado em toda a União Europeia e é concebido para melhorar o mercado único de ativos financeiros, mantendo simultaneamente níveis elevados de proteção dos investidores.
  • OPÇÕES
    • Contratos financeiros que oferecem o direito, mas não a obrigação, de comprar ou vender um ativo a um determinado preço numa, ou antes de uma, determinada data no futuro. 

P

  • PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS
    • Uma iniciativa das Nações Unidas para estimular as empresas de todo o mundo a adotarem políticas sustentáveis e socialmente responsáveis, e a apresentarem relatórios sobre a sua implementação.
  • PESQUISA DE CRÉDITO
    • O processo de avaliação de um título de rendimento fixo (obrigação) para determinar a capacidade de o mutuário cumprir as suas obrigações de dívida. Esta pesquisa procura identificar o nível adequado de risco de não pagamento associado ao investimento nessa obrigação específica.
  • POLÍTICA FISCAL
    • Política governamental em matéria de tributação, gastos e contração de empréstimos.
  • POLÍTICA MONETÁRIA
    • Regulamentação da moeda em circulação e das taxas de juro por um banco central.
  • POSIÇÃO CURTA
    • Uma forma de um investidor expressar a sua opinião de que o mercado poderá sofrer uma queda de valor.
  • POSIÇÃO LONGA
    • Manter um título na expectativa de aumento do seu valor.
  • PRÉMIO DE RISCO
    • O preço ou a recompensa por assumir um risco acrescido. É a diferença entre o retorno de um ativo isento de risco, como uma obrigação ou numerário governamental de elevada qualidade, e o retorno de um investimento em qualquer outro ativo. Um prémio de risco mais elevado implica um risco mais elevado.

Q

  • QUASE NUMERÁRIO
    • Depósitos ou investimentos com características semelhantes a numerário.

R

  • RÁCIO DE DESPESAS EM IMÓVEIS (PER - PROPERTY EXPENSE RATIO)
    • As despesas em imóveis são as despesas operacionais relacionadas com a gestão dos ativos imobiliários na carteira. Estas incluem: seguros e taxas, revisão de rendas e custos de renovação de aluguer e manutenção e reparações, mas não melhorias. Dependem do nível de atividade que ocorre no fundo. O Rácio de Despesas em Imóveis é o rácio das despesas em imóveis face ao valor patrimonial líquido do fundo.
  • RÁCIO DE RISCO/REMUNERAÇÃO
    • Um rácio que compara os retornos esperados de um investimento com o montante de risco assumido.
  • RÁCIO PRICE-TO-EARNINGS
    • O atual preço das ações de uma empresa dividido pelos seus ganhos por ação. Fornece uma orientação sobre a opinião do mercado relativamente às perspetivas dos ganhos futuros de uma empresa. Quanto mais elevado for o rácio, mais o lucro da empresa terá de crescer para justificar o seu atual preço das ações.
  • RENDIMENTO
    • Dinheiro pago por um investimento. Os dividendos são rendimento de ações. O rendimento de obrigações é denominado juro ou cupão.
  • RENDIMENTO
    • Refere-se aos juros recebidos de um título de rendimento fixo ou aos dividendos recebidos de uma ação. É habitualmente expresso como uma percentagem com base nos custos do investimento, no seu valor de mercado atual ou no seu valor nominal. Os dividendos representam uma parte dos lucros de uma empresa e são pagos aos acionistas da empresa em períodos definidos do ano. 
  • RENDIMENTO (AÇÕES)
    • Refere-se aos dividendos recebidos por um titular de ações de uma empresa e é habitualmente expresso anualmente como uma percentagem com base no custo do investimento, no seu valor de mercado atual ou no valor nominal.  Os dividendos representam uma parte dos lucros de uma empresa e são pagos aos acionistas da empresa em períodos definidos do ano. 
  • RENDIMENTO (OBRIGAÇÕES)
    • Refere-se aos juros recebidos de um título de rendimento fixo e é habitualmente expresso anualmente como uma percentagem com base no custo do investimento, no seu valor de mercado atual ou no seu valor nominal.
  • RENDIMENTO (RENDIMENTO)
    • Refere-se ao rendimento recebido de um investimento e é habitualmente expresso anualmente como uma percentagem com base no custo do investimento, no seu valor de mercado atual ou no valor nominal.
  • RENDIMENTO ATÉ AO VENCIMENTO (OBRIGAÇÃO)
    • O rendimento até ao vencimento de uma obrigação é uma estimativa do retorno anualizado ao longo do ciclo de vida da obrigação, se a obrigação for detida até à data de vencimento e assumindo que todos os pagamentos (de juros e capital) são efetuados de acordo com o calendário. É a taxa interna de rendibilidade da obrigação, que é a taxa de juro usada para descontar todos os fluxos de caixa da obrigação, para que os respetivos valores atuais totalizem o preço ao qual a obrigação é atualmente negociada no mercado.
  • RENDIMENTO ATÉ AO VENCIMENTO ESPERADO (FUNDO)
    • O rendimento até ao vencimento esperado é calculado incluindo as despesas do fundo como o rendimento médio ponderado de todas as posições do fundo. É calculado na moeda base do fundo e inclui efeitos de instrumentos derivados.
  • RENDIMENTO DE DISTRIBUIÇÃO
    • O montante que se espera venha a ser distribuído pelo fundo durante os próximos 12 meses, expresso como uma percentagem do preço das ações numa determinada data. Baseia-se no rendimento bruto esperado deduzido dos encargos correntes.
  • RENDIMENTO DE GANHOS
    • Ganhos por ação divididos pelo preço de mercado da ação, cotado como uma percentagem. É o valor recíproco do rácio preço/rendimento e pode ser utilizado para comparar os ganhos da empresa com os retornos de obrigações, que são títulos de rendimento fixo.
  • RENDIMENTO DOS DIVIDENDOS
    • Rendimento anual distribuído por uma empresa como uma percentagem do preço das ações numa determinada data.
  • RENDIMENTO HISTÓRICO
    • O rendimento histórico reflete as distribuições declaradas nos últimos 12 meses como uma percentagem do preço das ações à data apresentada. 
  • RENDIMENTO REAL
    • O retorno de um investimento, ajustado às alterações nos preços numa economia (inflação).
  • RENDIMENTO SUBJACENTE
    • Refere-se ao rendimento recebido por um fundo gerido e é habitualmente expresso anualmente como uma percentagem do valor atual do fundo. 
  • RENTABILIDADE
    • Refere-se ao rendimento recebido de um investimento. É habitualmente expresso anualmente como uma percentagem com base no custo do investimento, no seu valor de mercado atual ou no valor nominal.
  • RETORNO ABSOLUTO
    • A subida ou descida no valor de um ativo num determinado período de tempo, expressa como uma percentagem. 
  • RETORNO DO CAPITAL
    • O termo para o ganho ou perda resultante de um investimento durante um determinado período de tempo. O retorno do capital inclui apenas mais-valias ou menos-valias e exclui rendimento (sob a forma de pagamentos de juros ou dividendos).
  • RETORNO REAL
    • O retorno de um investimento, ajustado às alterações nos preços numa economia (inflação).
  • RETORNO RELATIVO
    • O retorno de um ativo num determinado período em comparação com o de um determinado índice de referência. É expresso como a diferença entre o retorno percentual do ativo e o do índice de referência, sendo também conhecido como alfa. 
  • RETORNO TOTAL
    • O ganho ou perda resultante de um investimento durante um período específico, incluindo rendimento e valorização do preço nesse período. O rendimento pode ser sob a forma de juros de obrigações ou pagamentos de dividendos para ações.
  • RISCO
    • A possibilidade de o retorno de um investimento ser diferente do esperado. O risco inclui a possibilidade de perder parte ou a totalidade do investimento inicial.
  • RISCO DE CRÉDITO
    • Risco de uma obrigação financeira não ser paga, resultando numa perda para o mutuante.
  • RISCO DE DURAÇÃO
    • O risco de o preço de um título de rendimento fixo (obrigação) ou fundo de obrigações sofrer alterações acentuadas aquando da alteração das taxas de juro. Quanto mais longa for a duração de uma obrigação ou de um fundo de obrigações, mais sensível e, consequentemente, mais em risco estará face a alterações nas taxas de juro. 
  • RISCO DE INCUMPRIMENTO
    • Risco de um titular de dívida não receber juros e o reembolso total do empréstimo quando devido.
  • RISCO DE INFLAÇÃO
    • O risco de a inflação reduzir o retorno de um investimento. (Consultar também retorno real)
  • RISCO DE TAXA DE JURO
    • O risco de um investimento de rendimento fixo perder valor se as taxas de juro subirem.

S

  • SELEÇÃO ASCENDENTE
    • Seleção de ações com base na atratividade de características fundamentais das empresas, tais como crescimento de rendimentos ou dividendos.
  • SELEÇÃO DE CRÉDITO
    • A decisão de alargar, ou não, o crédito e a quantidade, ou seja, a decisão de comprar, ou não, um determinado título de rendimento fixo (obrigação). 
  • SEM RESTRIÇÕES
    • O mandato de um fundo através do qual o gestor tem a liberdade de investir de acordo com a sua própria estratégia, em vez de ser obrigado a alocar capital de acordo com as ponderações de um índice que o fundo procura superar ou acompanhar.
  • SETOR
    • Um grupo de fundos com objetivos de investimento e/ou tipos de investimento semelhantes, conforme classificados por organismos como a Investment Association (IA) ou a Morningstar™. As definições setoriais baseiam-se essencialmente nos principais ativos em que o fundo deverá investir e podem também ter uma concentração geográfica. Os setores podem ser a base para a comparação das diferentes características de fundos semelhantes, como o seu desempenho ou estrutura de encargos.
  • SICAV
    • Em francês, refere-se a uma "société d'investissement à capital variable". É a versão da Europa Ocidental de um fundo de investimento coletivo de tipo aberto, muito semelhante a uma OEIC. Comum no Luxemburgo, Suíça, Itália e França e regulamentado pelos reguladores da União Europeia. 
  • SISTEMA DE CRÉDITO
    • Um conjunto de regulamentos e instituições envolvidos na concessão de empréstimos numa base comercial.
  • SOBREPONDERAÇÃO
    • Se um fundo for "sobreponderado" face a uma ação, detém uma proporção maior dessa ação do que o índice ou setor de referência.
  • SOCIEDADE DE INVESTIMENTO DO TIPO ABERTO (OEIC)
    • Um tipo de fundo gerido cujo valor está diretamente ligado ao valor dos investimentos subjacentes do fundo. O fundo cria ou cancela ações dependendo do facto de os investidores pretenderem resgatar ou comprar as mesmas. 
  • SOCIEDADE FIDUCIÁRIA DE INVESTIMENTO
    • Uma forma de fundo do tipo fechado negociado nos mercados públicos. O número de ações em circulação é fixado e o preço da ação flutua acima ou abaixo do valor contabilístico dos ativos subjacentes.
  • SOCIEDADE FIDUCIÁRIA DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO (Real Estate Investment Trust – REIT)
    • Uma sociedade de capital aberto que detém, explora ou financia imóveis geradores de receitas.
  • "SPREAD" DE CRÉDITO
    • A diferença entre o rendimento de uma obrigação empresarial (um título de rendimento fixo emitido por uma empresa) e uma obrigação governamental com a mesma duração. O rendimento refere-se ao rendimento recebido de um investimento e é expresso como uma percentagem do valor de mercado atual do investimento.
  • SUBPONDERAÇÃO
    • Detenção de uma proporção mais pequena de uma ação do que o índice ou setor de referência.
  • SUSPENSÃO DA NEGOCIAÇÃO
    • Parar temporariamente a negociação de um título cotado na bolsa de valores. Pode ser voluntária (solicitado pela empresa emitente) ou imposta por reguladores. Normalmente, as suspensões de negociação são introduzidas antes de anúncios de notícias importantes, no seguimento de problemas técnicos ou devido a preocupações regulamentares.
  • "SWAP"
    • Um "swap" é um contrato de derivados em que duas partes concordam em trocar fluxos separados de fluxos de caixa. Um tipo comum de "swap" é um "swap" de taxa de juro, em que uma parte troca fluxos de caixa com base em taxas de juro variáveis por fluxos de caixa com base numa taxa de juro fixa, para efeitos de cobertura face ao risco de taxa de juro.
  • "SWAP" DE INCUMPRIMENTO DE CRÉDITO (CDS)
    • Um contrato semelhante a um seguro que permite a um investidor transferir o risco de incumprimento de uma obrigação para outro investidor. O comprador do CDS paga prémios regulares ao vendedor, que tem de reembolsar o comprador no caso de incumprimento da obrigação subjacente. Um CDS é um tipo de derivado – um instrumento financeiro cujo valor e preço dependem do ativo subjacente.
  • "SWAP" DE TAXA DE JURO
    • Um acordo entre duas partes para trocar um pagamento de juros fixo por um pagamento de juros variável durante um período de tempo especificado.
  • "SWING PRICING"
    • O mecanismo de "swing pricing" consiste num método que pretende proteger os acionistas do fundo a longo prazo de terem de suportar os custos das transações realizadas por investidores a curto prazo. Quando os investidores compram ou vendem ações do fundo, o gestor do fundo tem de comprar ou vender títulos subjacentes para investir o numerário obtido dos investidores ou para lhes proporcionar numerário em troca das suas ações. O mecanismo de "swing pricing" ajusta essencialmente o preço diário das ações do fundo para ter em consideração os custos de compra ou venda dos títulos subjacentes detidos pelo fundo. Isto assegura que os custos de transação, tais como comissões de corretagem e encargos administrativos, são suportados pelos investidores que negoceiam ações do fundo, e não pelos investidores que mantêm investimentos no fundo. (Consultar também o ajuste de diluição)

T

  • TIPO DE UNIDADE/AÇÃO
    • Tipo de unidades/ações detidas por investidores num "trust" ou fundo. Os tipos de unidades/ações diferem por características como o facto de o rendimento dever ser pago como numerário ou reinvestido na data de pagamento.
  • TITULARIZAÇÃO
    • A criação e emissão de títulos negociáveis, como obrigações, que são garantidos pelo rendimento gerado por um ativo ou grupo de ativos ilíquido. Ao agrupar um conjunto de ativos ilíquidos, como hipotecas, os títulos garantidos pelos pagamentos de rendimento das hipotecas podem ser reunidos e vendidos a uma gama mais ampla de investidores.    
  • TÍTULO
    • Termo financeiro para um ativo em papel – normalmente uma ação de uma empresa ou um título de rendimento fixo também conhecido como uma obrigação.
  • TÍTULO DE RENDIMENTO FIXO
    • Um empréstimo sob a forma de um título, normalmente emitido por um governo ou empresa, que geralmente paga uma taxa de juro fixa durante um determinado período de tempo, no final do qual o montante inicial emprestado é reembolsado. Também referido como uma obrigação.
  • TÍTULOS CONVERTÍVEIS CONTINGENTES
    • CoCos são títulos de dívida que podem ser trocados por ações de empresas se forem cumpridas determinadas condições. Também são conhecidos como "títulos híbridos". 
  • TÍTULOS DO TESOURO
    • Títulos de rendimento fixo emitidos pelo governo dos EUA.
  • TÍTULOS GARANTIDOS POR ATIVOS
    • Obrigações (títulos de rendimento fixo) garantidas por ativos que geram fluxos de caixa, tais como empréstimos hipotecários, dívidas de cartões de crédito e empréstimos automóveis.
  • TRANSACIONADO EM BOLSA
    • Habitualmente refere-se a títulos transacionados em bolsa, como ações de empresas numa bolsa de valores. 

U

  • UNIDADE
    • Participação num fundo de investimento, que é um tipo de fundo gerido cujo valor está associado aos investimentos subjacentes. A dimensão do fundo de investimento aumenta ou diminui à medida que os investidores compram ou vendem unidades.
  • UNIDADES DE CAPITALIZAÇÃO
    • Um tipo de unidade cujas distribuições são automaticamente reinvestidas e refletidas no valor das unidades.
  • UNIDADES DE RENDIMENTO
    • Um tipo de unidade onde as distribuições (também designadas dividendos) são pagas como numerário na data de pagamento. 

V

  • VALOR DOS ENCARGOS CORRENTES
    • O valor dos encargos correntes representa os custos operacionais que os investidores podem razoavelmente esperar pagar em circunstâncias normais.
  • VALOR PATRIMONIAL LÍQUIDO (VPL)
    • O valor atual dos ativos do fundo deduzido dos seus passivos. 
  • VALOR SUBJACENTE
    • O valor fundamental de uma empresa refletindo os seus ativos tangíveis e intangíveis, em vez do atual valor de mercado ou preço das ações. 
  • VALORIZAÇÃO DO CAPITAL
    • Ocorre quando o valor atual de um investimento é superior ao montante inicialmente investido.
  • VENDA A DESCOBERTO
    • A prática segundo a qual os participantes no mercado vendem ativos que não detêm após os obterem em troca de uma comissão de alguém que os detém. O vendedor a descoberto tem de eventualmente devolver o ativo emprestado comprando-o no mercado aberto. Se o preço do ativo tiver caído, o vendedor a descoberto compra-o por um valor inferior ao da venda, obtendo assim um lucro. No entanto, o contrário também pode ocorrer.
  • VOLÁTIL
    • Quando o valor de uma ação, mercado ou setor em particular oscila para cima e para baixo com frequência e/ou significativamente, é considerado volátil.
  • VOLATILIDADE
    • O grau em que o preço de um determinado título, fundo ou índice muda. É calculado como o grau de desvio da norma para esse tipo de investimento durante um determinado período de tempo. Quanto mais elevada for a volatilidade, mais arriscado será o título.

W

  • "WARRANT"
    • Um título emitido por uma empresa que dá ao titular o direito de comprar ou vender ações dessa empresa a um preço especificado e dentro de um determinado prazo.

Contactar a equipa

Contacte-nos