Pôr o seu dinheiro a trabalhar mais, para combater o aumento do custo de vida

5 min par ler 24 ago 22

Queira consultar o glossário  para uma explicação sobre os termos de investimento utilizados ao longo deste artigo.

Há a sensação de que, agora, está tudo um pouco descontrolado. Os preços dos bens essenciais do dia-a-dia estão a aumentar em toda a parte. Os preços da eletricidade e do gás para consumo doméstico estão a aumentar a um ritmo alarmante, tendo os preços dos combustíveis e dos bens alimentares também registado aumentos acentuados nos últimos meses.

Para muitos de nós, compreender os motivos de estarmos nesta situação e saber o que podemos fazer, (se é que há algo a fazer), poderia ajudar-nos a recuperar algum controlo da situação. Planear dá-nos a possibilidade de pensar cuidadosamente sobre o que se passa, ao nosso próprio ritmo, e a sentirmo-nos mais preparados para o que puder vir. Como disse o Presidente Eisenhower, dos EUA, numa frase que ficou famosa. “Os planos não são nada; planear é tudo.”

Uma tempestade perfeita?

A reabertura da economia mundial após uma sucessão de confinamentos provocou perturbações na cadeia de abastecimento. Para as empresas no mundo inteiro, acelerar a produção é muito mais complexo do que pará-la: a falta de oferta, combinada com uma aceleração na procura mundial, veio provocar um aumento dos preços, quer para as empresas, quer para os consumidores.

Como se poderá imaginar, o conflito na Ucrânia veio exacerbar estes efeitos. A Rússia restringiu a sua oferta de petróleo e gás, e a Ucrânia está a ter dificuldades na exportação de um volume significativo de bens essenciais que abastecem a rede alimentar mundial, devido ao facto de os seus portos no Mar Negro estarem bloqueados pela Rússia.  

E não podemos esquecer-nos da inflação

Estamos todos bem cientes de que há uma geração que não se via inflação ao nível a que se encontra atualmente. O desafio que os bancos centrais enfrentam agora está em controlá-la de novo e aproximá-la muito mais do nível desejado dos 2% sem, contudoo, prejudicar a economia.

O instrumento principal de que dispõem é a fixação das taxas de juro. Ao aumentá-las, os bancos centrais esperam incentivar as pessoas a pouparem em vez de pedirem emprestado e gastarem, o que tem como resultado o abrandamento da economia. Para aqueles de nós que têm empréstimos e hipotecas, a situação fará aumentar as nossas prestações, a não ser que tenham sido fixadas previamente a uma taxa fixa. Por outro lado, aqueles que, entre nós, têm poupanças em dinheiro, poderão procurar taxas mais vantajosas para as suas poupanças.

Chegou o momento de pôr o seu dinheiro a trabalhar?

A inflação desgasta o valor das poupanças – se os preços dos bens e serviços estiverem a aumentar, o nosso dinheiro acaba por conseguir comprar menos. Mas, apesar de a adoção de uma estratégia de “esperar para ver” poder parecer uma abordagem razoável neste momento, uma das piores coisas a fazer perante este cenário é não fazer nada. É importante procurar as melhores taxas de poupança, mas isto, por si só, poderá não ser suficiente para manter as suas metas financeiras no caminho certo. É por isso que é tão importante planear eficazmente o seu futuro. E é aqui que investir pode ajudar.

Agir

Apesar de estarmos a viver tempos invulgares, este poderá não parecer ser o momento certo para começar a investir. Mas a verdade é que o momento “certo” é algo que não existe.

Os mercados bolsistas registam subidas e descidas constantes e, apesar de esta volatilidade poder parecer assustadora, algum deste risco pode ser compensado aplicando o seu dinheiro gradualmente, por exemplo, mês após mês. Há muitos prestadores de serviços de investimento que possibilitam o investimento com contribuições mensais, de valores menores, ao longo de um período de tempo, dando ao seu investimento tempo para crescer sem também afetar demasiadamente o seu orçamento mensal.

Investir é uma proposta a longo prazo. Com o passar do tempo, os seus investimentos deverão ter potencial para crescerem, o que significa que provavelmente irá ficar mais capaz para enfrentar períodos de volatilidade, uma vez que as suas poupanças terão mais tempo para recuperar de eventuais quebras no seu valor. Mas, obviamente, é importante lembrar que o valor e o rendimento dos mercados bolsistas aumentam e diminuem, pelo que há a possibilidade receber menos do que inicialmente investiu.

Tenciona diluir o risco?

A diversificação é, também, um fator chave na gestão dos riscos de investimento. Distribuir o seu dinheiro por vários tipos de ativos que tendem a ter bons desempenhos em diferentes condições de mercado – como ações e obrigações, por exemplo – pode ajudar a proteger-se contra perdas acentuadas no caso de um dos ativos ter um desempenho pior. Por outro lado, poderá também beneficiar de ganhos no caso de um ativo ter um desempenho superior ao do mercado.

A colocação do seu dinheiro em fundos sob “gestão ativa” pode, muitas vezes, também ajudar a gerir o risco. Os gestores dos fundos sob gestão ativa gerem o seu dinheiro de forma dinâmica, tendo liberdade de tomar decisões informadas em seu nome. Os gestores de fundos passam o seu tempo a fazer pesquisa dos mercados e a manter-se a par das notícias financeiras e, por esse motivo, ao investir nos fundos geridos por eles, estará também a tirar partido dos conhecimentos que eles têm.

Estes tipos de fundos tendem a configurar riscos maiores quanto maiores forem os potenciais rendimentos, pelo que importa conseguir um equilíbrio correto e ter a certeza de escolher o investimento que é o certo para si. Geralmente, quanto mais prolongado for o investimento, maior será a capacidade para correr riscos, pois o efeito do tempo poderá amenizar os altos e baixos ao longo do percurso.

Planear para tirar mais partido do seu dinheiro

Os investimentos nos mercados bolsistas têm o potencial de superar o desempenho das taxas de poupança, sobretudo no longo prazo. Ao investir pouco a pouco todos os meses, poderá ajudar a atenuar qualquer volatilidade, com o seu dinheiro a comprar um número maior de valores mobiliários quando os mercados estão em baixa. E, ao investir por um longo período de tempo, poderá usufruir dos ganhos nos momentos em que os mercados registem subidas.

Apesar de os aumentos diários dos preços estarem a desgastar o seu poder de compra hoje, importa não perder de vista a importância de planear o seu futuro financeiro a longo prazo. As taxas de poupança não estão a acompanhar a inflação. Mas ao aplicar algum do seu dinheiro em investimentos, poderá ajudar a amenizar o choque da situação atual e manter o seu poder de compra futuro no caminho certo.

Saiba que a M&G Investments não pode dar-lhe aconselhamento financeiro. Caso tenha qualquer dúvida sobre a adequação do seu investimento, deverá falar com o seu consultor financeiro. As opiniões expressas neste documento não devem ser consideradas como sendo uma recomendação, conselho ou previsão.

O valor e rendimento dos ativos do fundo diminuirá e também aumentará, o que fará com que o valor do seu investimento diminua e aumente. Não há qualquer garantia de que o fundo alcance o seu objetivo, e o investidor poderá recuperar um valor inferior ao montante que inicialmente investiu.

Noticias relacionadas